25.2.10

  

 

 

veja também os textos :

 

" Os jovens e os chats " - link :  http://familia.sapo.pt/adolescente/comportamento/1039452.html

" Pedofilia na Internet " - link : http://familia.sapo.pt/familia/educacao_e_pedagogia/913159.html

 e faça o teste online para avaliar até que ponto é dependente da Internet :

 http://familia.sapo.pt/adolescente/comportamento/1042736.html

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 11:30  comentar

9.9.09

 

 

 
Tenho um filho com 19 anos. Ele sempre se deu muito com raparigas, mas nunca lhe conheci uma namorada. Há uma semana revelou-me que é homossexual. Ele afirmou-me que é feliz, mas eu fiquei de rastos, não sei como agir perante isto, porque sempre pensei em ter netos, ou seja, que ele viesse a ter uma vida normal.
Lucinda P. (Lisboa)
 
 
link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 15:51  ver comentários (2) comentar

29.7.09

 

Por volta  dos 11 anos, os jovenzinhos (pré-adolescentes) começam a sentir curiosidade por revistas dirigidas ao público adulto. Perante esse facto, muitos pais facilitam-lhes o acesso, sentindo até algum orgulho e alegria. Consideram que é coisa “de homem”, de “macho”, portanto há que proporcioná-lo. Esses pais têm também, na ponta da língua, o que julgam uma excelente justificativa: dizem, com a maior naturalidade, que caso não lhes comprem ou mostrem a revista,  eles a irão ver de qualquer maneira, na escola ou na casa de amigos.


Claro que é provável que isso venha a acontecer. Mas, para a criança ou para o adolescente, é muito diferente ver uma revista desse tipo (para maiores de 18 anos), à socapa dos pais, do que receber autorização expressa da parte destes. A nível psicológico a distinção é brutal. Trata-se de uma forma de testar os limites, de ir para além daquilo que lhe é permitido e colocar um pezinho no mundo adulto, sem ser descoberto. Obviamente tem outro valor … e outro sabor!


 

 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 00:22  ver comentários (1) comentar

2.6.09

 

Muitos pais permitem que seus filhos vão a uma viagem de finalistas (habitualmente  para fora do País) desde que a escola assuma a responsabilidade Essa parece ser a alternativa mais cuidadosa, no entanto, quem já passou por essa experiência sabe o quão é difícil controlar adolescentes quando estão em grupo.

 
Temos de ter em conta que actualmente a autoridade do professor, quanto muito restringe-se ao enquadramento escolar. Muitos são os professores que nas suas aulas não conseguem construir uma relação de respeito com os alunos, quanto mais de autoridade! Como se espera então que isso aconteça num contexto mais livre, em que os jovens consideram que estão ali para se divertirem e que o professor não tem de interferir nas suas actividades.
 
link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 13:52  ver comentários (2) comentar

4.5.09

 

Tenho uma filha adolescente que sofre imenso com a timidez. Não se consegue relacionar normalmente com os outros miúdos da idade dela e isola-se em casa a ler. Poucos amigos consegue arranjar e isso provoca-lhe muita infelicidade. Eu estou muito preocupada e não sei o que fazer para a ajudar a ultrapassar este problema.

Sónia M.

  

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 20:47  comentar

11.4.09

 

O vício de jogos online, como é o caso do World of Warcraft,  têm sido objecto de preocupação por parte de psicólogos e psiquiatras. Este jogo em particular, conta com mais de 11 milhões de jogadores inscritos por esse mundo fora ou seja, muito mais do que a população de Portugal Continental !
 
Desenrola-se em diversos cenários virtuais, faz parte dos chamados MMORPGS e permite que milhares de usuários se confrontem e formem equipas. Aparentemente parece existir pouca diferença entre o vício de drogas e jogos online, e as pessoas com estes problemas dificilmente procuram ajuda.
 
No documentário seguinte, podemos ver os depoimentos de um jovem viciado no jogo, da sua mãe e de uma psicóloga. O filme é legendado em português do Brasil. Vale muito a pena ver ...
 
  

 

 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 02:52  ver comentários (2) comentar

25.3.09


Não sei qual a posição da Drª sobre este assunto, mas tenho tido algumas discussões com a minha mulher acerca da educação do meu filho de 9 anos. Eu sou de opinião que têm de haver regras e não me coíbo de lhas impor, enquanto que a minha mulher é mais permissiva.
 
Claro que ele pode sempre contar comigo, mas penso que confundir um pai com um amigo não pode dar bom resultado. Ainda hoje tenho uma óptima relação com o meu pai, embora muitas vezes (sobretudo durante a adolescência) tivéssemos choques.
 
Fui muito irreverente, muito sedento de liberdade, mas os travões que o meu pai me colocou, deram-me estabilidade emocional. Hoje parece haver da parte dos pais, um receio de imporem regras e depois os miúdos crescem mal educados e mal formados. Ser pai dá muito trabalho, mas acho que é uma aventura muito gratificante e da qual não me demito!
Obrigada pela atenção
Júlio N.
 
 
link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 21:57  comentar

21.3.09

 

 A minha filha tem 15  anos e adora o Cristiano  Ronaldo. Compra todas as revistas onde o rapaz sai , tem as paredes do quarto  forradas com fotografias e diz que nunca vai gostar de mais ninguém. Eu já falei com colegas de emprego acerca deste assunto, e elas dizem-me que é normal. Só que estou um pouco preocupada, porque acho que é demais. Não a vejo interessar-se por colega nenhum, só por este rapaz que ainda por cima nem a conhece !

Filomena A., Porto

  

 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 00:35  comentar


 



Espaço onde pode colocar as suas dúvidas acerca dos seus filhos, sejam eles crianças ou adolescentes.
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Psicologia da Criança e do Adolescente. Este consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: tp_marques@sapo.pt
Drª Teresa Paula Marques
Licenciada em Psicologia Clínica (ISPA), Mestre em Psicopatologia e Psicologia Clínica (ISPA), Pós-graduada em Avaliação Psicológica em Contexto Escolar (FPCEUL), Psicoterapeuta Breve (SPPB), Doutoranda em Psicologia da Educação (FPCEUL).
Exerce Psicologia Clínica há quase duas décadas.

Actualmente é responsável pelo Serviço de Psicologia de um Externato em Lisboa e docente da cadeira de Psicologia do Desenvolvimento na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, no curso de Enfermagem.
Paralelamente atende crianças e adolescentes no consultório privado e é autora de 4 livros sobre Psicologia Infantil e do Adolescente. Já foi psicóloga residente em programas de televisão e mantém colaborações regulares com diversos jornais e revistas.
Actualmente responsável pelo consultório "FILHOS" na revista TvMais (periodicidade quinzenal)

Para saber locais de consultório aceda ao site: www.teresapaulamarques.com blog : http://teresapaulamarques.zip.net
blogs SAPO