1.11.09

 

 

Tenho um filho com 4 anos e ando sempre com medo que ele seja raptado, ou que se perca. Devo usar o medo para evitar que se afaste, como falar do “homem do saco” que leva as crianças?

Beatriz, Almada

 

Alguns pais associam o “homem mau” a pessoas com farda, como é o caso dos polícias e isso pode conduzir a que a criança tema a autoridade e não recorra aos polícias em caso de aflição. Existem também outros modos de provocar medo, como associar o perigo aos ciganos ou aos negros, o que pode levar a situações de racismo ou xenofobia. Esse tipo de estratégias deverá então ser evitado. Ao invés deve ser explicado que existem pessoas que raptam crianças, ou seja, que há pessoas más e pessoas boas. Há que ter em conta que as generalizações não são benéficas, pelo que se deverá sempre acentuar que nem todos são maus e que nos cabe a nós a tarefa de nos protegermos daquelas que o são. Certo é que a partir da idade escolar, a criança vai tendo progressivamente mais capacidade de agir em situação de perigo. Contudo, os alicerces devem vir de trás, isto é, desde tenra idade que as regras devem estar claras, a todos os níveis, mesmo da segurança. Aspectos como o de não se afastar dos pais em locais movimentados, têm de ser estimulados. Depois há que fornecer-lhes alternativas, como de se dirigir a um segurança (a identificação pela farda), ou a um polícia. Riscos existem sempre e é um erro pensar que podemos manter alguém numa redoma. Importa sim preparar os mais pequenos para a vida real, alertando-os para os perigos, mas fornecendo-lhes ferramentas psicológicas para que possam ajuizar as situações e agir eficazmente face a elas.

 

tags:
link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 23:54  comentar

 



Espaço onde pode colocar as suas dúvidas acerca dos seus filhos, sejam eles crianças ou adolescentes.
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Psicologia da Criança e do Adolescente. Este consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: tp_marques@sapo.pt
Drª Teresa Paula Marques
Licenciada em Psicologia Clínica (ISPA), Mestre em Psicopatologia e Psicologia Clínica (ISPA), Pós-graduada em Avaliação Psicológica em Contexto Escolar (FPCEUL), Psicoterapeuta Breve (SPPB), Doutoranda em Psicologia da Educação (FPCEUL).
Exerce Psicologia Clínica há quase duas décadas.

Actualmente é responsável pelo Serviço de Psicologia de um Externato em Lisboa e docente da cadeira de Psicologia do Desenvolvimento na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, no curso de Enfermagem.
Paralelamente atende crianças e adolescentes no consultório privado e é autora de 4 livros sobre Psicologia Infantil e do Adolescente. Já foi psicóloga residente em programas de televisão e mantém colaborações regulares com diversos jornais e revistas.
Actualmente responsável pelo consultório "FILHOS" na revista TvMais (periodicidade quinzenal)

Para saber locais de consultório aceda ao site: www.teresapaulamarques.com blog : http://teresapaulamarques.zip.net
blogs SAPO