13.3.12

 

 

Estou a pensar reduzir as actividades extracurriculares da minha filha. Ela chega a casa diariamente às 21 horas e nunca tem tempos livres. Claro que é muito engraçado ver que sabe tocar piano, fazer balé, falar inglês e espanhol…mas será que compensa o desgaste (meu e dela) ?

 

Actualmente vemos que, menores de seis anos, têm uma agenda tão preenchida com obrigações dos mais variados tipos, que pouco tempo resta para ser usado para a coisa mais importante deste período: brincar. Depois dos seis anos, dá-se o árduo início da aprendizagem da leitura, da escrita e da aritmética. A vida na escola, que nesse momento representa o mundo para a criança, é o contexto privilegiado para que ela cresça. É preciso adequar-se às regras, desenvolver aptidões cognitivas e emocionais. A par de tudo isso, surgem as actividades extracurriculares.

 

Como a leitora diz, é muito engraçado ver que determinada criança ampliou as suas aptidões, mas será que os benefícios são superiores aos custos ? É que as crianças deste século estão a perder a possibilidade de brincar, porque simplesmente não resta tempo para o fazer. E brincar é absolutamente fundamental para o desenvolvimento a todos os níveis. De nada vale estarmos a criar pequenos génios, se a imaturidade depois lhes vai travar o sucesso. Importa, então, que os pais pensem muito bem, e sejam criteriosos, na escolha das actividades que os filhos devem frequentar. Tudo isto para lhe dizer que chegar ás 21 horas a casa é realmente excessivo, por isso faz muito bem em repensar as actividades da sua filha !

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 22:29  comentar

11.7.11
link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 09:56  comentar

O meu filho mantinha o mesmo grupo de amigos desde a infância, o que me deixava bastante descansada. Agora que fez 15 anos, começou a sair com um grupo cujo aspecto não me agrada nada. Não sei o que fazer, já que sempre que tento falar com ele há discussão.

Perpétua J. , Santarém

O grupo de amigos é extremamente importante durante a adolescência. É face aos seus pares que o jovem cria a sua identidade e dá os primeiros passos rumo á autonomia. No entanto, apesar de a família ficar relegada para segundo plano, não deixa de ter a sua importância. Já constatou que emitir juízos de valor sobre o grupo dá mau resultado, ou seja, transmitir-lhe opiniões negativas sobre os amigos do seu filho é algo extremamente complicado porque pode provocar um maior afastamento.

É mais adequado tentar dialogar com ele, evitando focar directamente o assunto e não fazendo perguntas directas. Recorra a exemplos de outras pessoas, ou a histórias passadas consigo, sem nunca se referir a ele. Deste modo poderá conseguir transmitir-lhe algumas mensagens que ele não entenderá como ordens. Ao contrário do que possa pensar, ele irá reflectir sobre aquilo que ouve. Ao longo do tempo, vai ver que ele próprio poderá distanciar-se do grupo se se aperceber que não é o mais aconselhável, em termos de companhia.

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 09:43  comentar

28.3.11

 

 

O lançamento do meu livro "Clínica da Infância" será no próximo dia 30 de Março, quarta-feira, pelas 18:30 hs

 

 no auditório Fnac, Centro Comercial Colombo (Lisboa)

 

A apresentação estará a cargo da jornalista Rita Marrafa de Carvalho

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 14:49 

Devido ao elevado número de emails recebidos, informo que passo a responder a duas questões por semana, sempre ás sextas-feiras.

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 14:48  comentar

26.7.10

 

Tenho uma filha adolescente e estou constantemente preocupada, porque acho que ele está muito mal informada no que respeita as questões ligadas à SIDA. Contudo, não sei se será adequado abordar este assunto já, uma vez que ela tem apenas 13 anos. Outro problema que me surge é saber como fazê-lo, já que sinto algum acanhamento.

Florinda N. , Portalegre

  

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 12:52  comentar

16.7.10



 

A minha filha tem 5 anos e raramente obedece, seja a mim, ou ao pai. No infantário também há queixas por parte da educadora, porque recusa-se a comer e responde-lhe mal. Aconselharam-nos a ir a um psicólogo ver o que se passa, mas eu acho que tudo se deve á sua forte personalidade.

Ermelinda, Lisboa

 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 00:01  comentar

11.3.10

 
Não sei o que fazer porque o meu filho passa a dia a comer guloseimas e à hora das refeições é um castigo para o fazer comer qualquer coisa de jeito. Recusa-se a comer vegetais e só quer bifes com batatas fritas, ou então hambúrgueres.
Florinda, Lisboa
 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 23:24  comentar

25.2.10

  

 

 

veja também os textos :

 

" Os jovens e os chats " - link :  http://familia.sapo.pt/adolescente/comportamento/1039452.html

" Pedofilia na Internet " - link : http://familia.sapo.pt/familia/educacao_e_pedagogia/913159.html

 e faça o teste online para avaliar até que ponto é dependente da Internet :

 http://familia.sapo.pt/adolescente/comportamento/1042736.html

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 11:30  comentar

24.2.10

 

O meu filho tem 5 anos e estou um pouco preocupada porque parece-me que vai ser canhoto. Escreve as letras ao contrário e chuta a bola sempre com o pé esquerdo. O pai também é canhoto e teve algumas dificuldades na escola. Será que devo contrariar essa tendência ?

Marisa D. (Lisboa)

  

 ver também o texto

http://familia.sapo.pt/familia/educacao_e_pedagogia/1028977.html

 

 

link do postPor psicologiacriancaeadolescente, às 16:38  comentar


 



Espaço onde pode colocar as suas dúvidas acerca dos seus filhos, sejam eles crianças ou adolescentes.
Envie a sua questão
Este consultório online é um espaço onde pode colocar as suas dúvidas no âmbito da Psicologia da Criança e do Adolescente. Este consultório tem um carácter informativo e o acompanhamento médico especializado por parte dos leitores não deve ser descuidado.

E-mail: tp_marques@sapo.pt
Drª Teresa Paula Marques
Licenciada em Psicologia Clínica (ISPA), Mestre em Psicopatologia e Psicologia Clínica (ISPA), Pós-graduada em Avaliação Psicológica em Contexto Escolar (FPCEUL), Psicoterapeuta Breve (SPPB), Doutoranda em Psicologia da Educação (FPCEUL).
Exerce Psicologia Clínica há quase duas décadas.

Actualmente é responsável pelo Serviço de Psicologia de um Externato em Lisboa e docente da cadeira de Psicologia do Desenvolvimento na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, no curso de Enfermagem.
Paralelamente atende crianças e adolescentes no consultório privado e é autora de 4 livros sobre Psicologia Infantil e do Adolescente. Já foi psicóloga residente em programas de televisão e mantém colaborações regulares com diversos jornais e revistas.
Actualmente responsável pelo consultório "FILHOS" na revista TvMais (periodicidade quinzenal)

Para saber locais de consultório aceda ao site: www.teresapaulamarques.com blog : http://teresapaulamarques.zip.net
subscrever feeds
blogs SAPO